segunda-feira, 3 de março de 2008

O Piloto

Sabem o que é um jornalista de automóveis?
É um profissional de comunicação que escreve sobre carros. Para isso, tem de os conduzir.
Normalmente, as marcas disponibilizam, aquando da saída dos primeiros modelos, uns quantos para serem experimentados pelos jornalistas. A maior parte são Familiares, Utilitários, Breaks...enfim...os automóveis do dia-a-dia do comum dos mortais.
Mas...de quando em vez, consoante o seu prestígio e conhecimentos junto da marca, o jornalista é brindado com a condução de topos de gama, ou mesmo de automóveis de excepção.

Conheci e trabalhei com vários desses homens, e cheguei mesmo a conduzir alguns automóveis extraordinários, nessa altura. Era Director de Arte de uma revista de automóveis.
Lidar quotidianamente com uma excelência que não nos pertence, como no caso daquela gente, que por vezes pilotava Ferraris, AMGs, BMs ou Jaguares de topo, era algo que me fazia pensar.
Permaneciam com os carros na sua posse durante dias e noites. E, muitas vezes, no lugar do pendura, ouvia-os desdenhar da qualidade daquelas obras-primas: "estás a ver esta manette das mudanças? seis mil quilómetros e tem já uma folga indesculpável, treme como um pudim. E este relógio no painel... uma merda..."

Mas eu sabia, porque muitas vezes me diziam, que era com um pequeno nó na garganta que pegavam neles pela manhã, cobertos pelo orvalho. E, durante os lentos passos até à porta do carro... como se inebriavam com a sua beleza...
E o prazer de os pilotar?... Um jornalista de automóveis é obrigatóriamente um apaixonado.
Conduzir, conduzia eu e você. Eles... pilotavam...

Uma vez cederam-me uma Barchetta Renault para dar umas voltas. Tratava-se de um automóvel de série limitada, cuja filosofia era tentar transmitir a sensação de pilotar um F1. Deixei-o ir abaixo várias vezes, e como os F1, aquilo não tinha direcção assistida. Para mais, era um carro que dava nas vistas, tipo Le Mans, e eu não me sentia nada confortável parado nos sinais com toda a gente da rua a observar-me.

Mas eu ainda não era um piloto...

Aqueles homens eram amantes. Pegavam num carro de excepção, e davam-lhe todo o prazer que uma máquina pode ter ao ser levada aos seus limites, ao deixá-la exausta de tanto dar de si mesma. De tanto se entregar... A alguém a quem não se pertence.

E depois, no dia e hora combinados, estacionavam o carro no parque do concessionário, e com um sorriso forçado entregavam as chaves.

Não olhavam para trás...

27 comentários:

Afrika disse...

Sim senhor, excelente comparacao! desta vez fiquei mesmo sem palavras... quase. LOL Eu adoro conduzir a sensação de liberdade, de tanto estar aqui como alem... e garanto-te que adorava ter o privilegio de se ser um desses jornalista... mesmo que tão so fosse por um par de horas! Determinadas coisas continuam a marcar prestigio e a somar admiradores(as) de tudo acho que nada o faz melhor que um belo exemplar de 4 rodas!

Rocket disse...

Afrika

Desculpa, comparação?...


:-)

Afrika disse...

Ok eu explica se bem que...

"Aqueles homens eram amantes. Pegavam num carro de excepção, e davam-lhe todo o prazer que uma máquina pode ter ao ser levada aos seus limites, ao deixá-la exausta de tanto dar de si mesma. De tanto se entregar... A alguém a quem não se pertence."

Precisamente isto meu caro!

Rocket disse...

afrika

Ainda bem que existes...é que eu próprio não percebo nada do que escrevo. É como aqueles imbecis que tocam Mozart sem nunca terem pegado numa pauta...devo estar possuído...LLOOLLL

Maria Manuela (M&M) disse...

Eu de carros não percebo muito...quanto ao resto, já tive a minha dose.

beijos

Rocket disse...

M&M

Então agora é só carros...ok?


bjs

Mlee disse...

Eu de carros não percebo nada. Ponto final parágrafo. ;)

Magucha disse...

*suspiro* Aí está uma bela profissão. Se não tivesse de devolver os carros no fim, era ideal...

Rocket disse...

maguinha

O teu coração é como um eléctrico, é?

bjinhos

Rocket disse...

mlee

por isso é que és uma menina bem comportada...


bjinhos

Magucha disse...

Rocket

Um eléctrico? Não percebi essa... :(

Jinhos

Rocket disse...

maguinha

num eléctrico...cabe sempre mais um...
Lê o post com atenção, querida.

beijinhos

Kikas disse...

Aí está uma profissão que não me chateava nada. Adoro conduzir e sou um bocadinho para o acelera, pena que não tenha carro para isso, e, felizmente até hoje não tive nem provoquei nenhum acidente :-) Na minha anterior empresa e função, uma das minhas tarefas era levar o carro do meu chefe à oficina ou ir levá-lo a qualquer lado quando se acabavam os km's contratados. De todos o que me deu mais gozo conduzir foi um Lexus 2.0 (um modelo qualquer que não me lembro) e o cagaço que apanhei quando ele me dispara o 2º turbo em cima da Ponte Vasco da Gama!
Ou quando me calhava, ás vezes, ter de ir de Lx ao Algarve ou a Évora ou ao Porto de Audi A4 ou Volvo V70... ou da outra vez que fiz Lx-Caldas da Rainha em 45 minutos... ai, era uma chatice ;-))

Rocket disse...

Kikas

Alguns taxistas andam todos os dias em bons Mercedes. Ao contrário das minhas previsões, nenhum anda de Lexus... Ainda assim tens muita sorte. Obrigado pela visita.


beijinho

Kikas disse...

Rocket,

já percebi que és dos que vociferam a torto e a direito "Mulheres ao volante, perigo constante!"

Agora percebo a tua deixa do piano :-)

Rocket disse...

Kikas

Nem conheço essa frase...tenho amigas excelentes condutoras. Aliás tenho uma teoria sobre isso: as pessoas conduzem como andam na rua...acho que está tudo dito.
Para mais, hoje inspirei-me em ti, para o meu post último....já viste?


beijinhos

Kikas disse...

Sim, já reparei ;-))
E fiquei a sentir ainda mais o MÁXIMO por servir de inspiração a alguém!

O meu ego bateu disparou em flecha! Eh eh eh

Rocket disse...

Kikas

fico naturalmente feliz, para mais previas um dia menos bom. Espero que isto to amenize...

bjinhos

Pedro de Payalvo disse...

discordo completamente de chamares pilotos, ou dizeres que os jornalistas automobilisticos pilotam... andar depressa não significa pilotar...
agora a história é diferente, e nem sempre, quando um piloto se torna "jornalista" e ensaia carros para os media...

Rocket disse...

Olá Pedro

Obrigado pela tua observação. Durante o acto de teste para o qual a atribuição dos carros dfoi destinada, o jornalista de automóveis é um profissional como qualquer outro, e como tal tem que seguir um check list daquilo que tem que fazer com o carro, para poder escrever sobre ele. Andar devagarinho, medir consumos, curvar lentamente...às vezes, a desempenhar o seu profissionalismo, até bocejam.
O que refiro aqui é aquele gap, em que os testes acabam e ele fica com o carro. Aí sim.
De qualquer forma, todo o texto é uma metáfora, e não tem, de todo, a ver com automóveis...

um abraço

Rocket disse...

...medir interiores, ajustar bancos, verificar visibilidade... etc...já bocejaste?

Pedro de Payalvo disse...

eu percebi, mas como amante de carros e de pilotagem, levo isso a sério, e quando chamas piloto a um jornalista automobilistico, tenho de discordar... nem os do Top Gear, que são os meus favoritos e levam os carros perto dos limites, se consideram pilotos, fora o Tiff, que colaborou com o programa, por isso é que lá têm o Stig...

Pedro de Payalvo disse...

exactamente! eu não bocejo com essas coisas, as pessoas bocejam quando as coisas são obrigação... bocejar enquanto se "afinam" os pormenores dentro um Ferrari, Porsche, TVR, etc, não é de piloto...

Pedro de Payalvo disse...

qualquer um acelera, mas não é qualquer um que atrasa uma travagem até o limite...

Rocket disse...

Pedro

Bem, na essência só posso estar de acordo contigo. na verdade, alguns dos jornalistas referidos, dos quais ainda sou amigo, nem gostam de conduzir...
Relembro que o texto não se refere, de todo, à pilotagem de automóveis.
Obrigado pelo entusiasmo. Gosto de ver pessoas apaixonadas pelo que fazem...

Outro abraço

Marta Teles disse...

Um excelente texto que fala de prazeres.
Percebi com nitidez e perfeição o porquê de me dizeres para vir ler este texto.
Usa-se , explora-se o prazer que daí advém , para posterirmente ser feita a entrega, por não ser nosso.
Beijinho e obrigada.
Agora eu retiro as ilacções.

Rocket disse...

marta teles


força!