domingo, 17 de fevereiro de 2008

Penis Enlargement


Isto de ser consultor é um pouco como ter várias amantes e ser fervorosamente fiel a a cada uma delas... Eu explico: possuo algumas colaborações fixas, e é para uma delas que me desloco amanhã. No dia a seguir vou para outra. Visto a camisola em cada empresa onde as presto e sou mais papista que o papa no que toca a defender interesses das mesmas.
Sofresse eu de um qualquer síndroma de múltipla personalidade e seria certamente um auxílio, mas como não é o caso, obrigo-me a emulá-lo...

O computador que me está gentilmente atribuído, no caso de segunda-feira, possui internet, como é normal, e o filtro de SPAM é tão largo como o Tejo quando os anos eram de chuva. Como tal, de cada vez que lá vou, é como se fosse uma caça às moscas, com um mix de pesca de atum (pois procuro, por entre todo aquele lixo, os úteis e-mails de trabalho...) a minha destruição massiva de e-mails, com estrelinha vitoriosa, de gente estrangeira que não conheço. Estou horas naquilo até deixar o e-mail limpinho como um rabinho de bebé depois do banho...
O que me irrita no processo, além da morosidade e trabalheira, é o teor das mensagens para as quais me tentam aliciar: Penis enlargement em duas semanas, viagra a dez tostões, mais penis" thick as a tree", mais penis "longer than a highway", sei lá...


É com um complacente sorriso que descubro que o mercado on-line descobriu o Pénis. Isto porque o Clitóris ( a próxima vítima dos marketeers...), ainda vai com um certo atraso, em termos de análise por parte do trade. Convém lembrar que só nos 70's é que a sociedade começou a dar conta da sua existência com os processos do Garganta Funda...Existiam juízes que desconheciam o termo... Só a partir daí é que o Clitóris... começou a correr as gargantas do mundo...

E convém referir que até ao século passado, as senhoras deslocavam-se aos consultórios médicos para terem orgasmos por manipulação do Sr. Dr., que eram na altura considerados o fim das crises de "histeria" (nem mais nem menos que simples desejo).
Aliás, o primeiro vibrador, do tamanho duma cadeira de dentista, foi pensado para facilitar a vida aos médicos, fartos daquilo certamente...
Isto tudo faz parte duma História fascinante. Perguntem ao Tio Google...

E, retomando: como o mercado descobriu o Pénis, toca de martirizar a mente masculina com os fantasmas referentes às dimensões do cujo, com e-mails daqueles.
E de quem é a culpa? Eu cá acho que é do indecente atraso da sociedade ocidental (porque se falarmos nas outras, então...) em relação a toda a filosofia subjacente ao sexo. Ou seja: ninguém ao mais alto nível cognitivo, percebe patavina do assunto! Numa escala de zero a cem no conhecimento da matéria devemos estar... sei lá... no cinco (e com muito boa vontade).

É uma opinião, a minha, que julgo bem fundamentada em factos concretos: Os estudos mais sérios, nomeadamente o Relatório Hite e as outras obras da mesma autora* têm muito poucos anitos e uma latitude imensa de estatísticas, e outra, ainda mais extensa, de dúvidas... E não há muita mais gente como ela por esse mundo fora a dedicar-se sériamente ao assunto. Só agora as Universidades americanas começaram a colocar a tecnologia ao serviço da pesquisa nesse campo.
E arranjar voluntários? o sexo ainda é o tal boogie...

Não vou discutir a importância do tamanho, primeiro porque, em si, é um assunto para o qual me estou completamente nas tintas, e não quero, de todo, contribuir para alimentar uma dúvida explorada por gente que quer ganhar dinheiro à sua custa...

Posso apenas referir, que isto de coisas de tamanho toca aos dois géneros, ou a indústria do silicone não se encontraria de saúde tão invejável... Eu cá, pessoalmente, conheci mulheres que "saíam ao pai" por quem muito homem gostaria de ter dado um dedo, tais eram os outros encantos.
Não quer dizer que esteja contra a cirurgia estética, de todo. Felizmente, ela, na sua vertente útil, existe para realizar verdadeiros milagres no amor-próprio de pessoas que não foram bafejadas com aquilo, que por direito, elas consideram a normalidade...

Para além do tempo que perco a limpar o e-mail, que poderia ser profícuo, irrita-me o facto de toda uma sociedade, a um nível inimaginável, andar a ser explorada com mambo-jambo e banha da cobra em pleno século XXI. Sem necessidade, pois o tecido intelectual da mesma já devia ter pegado na vassoura e ter tratado da limpeza deste assunto.

Para aqueles que, ainda assim, se inquietam ao receber porcarias daquelas, eu lembro o seguinte: Diz-se que quem não vê... ouve melhor que você...

Eu cá sou surdo que nem uma porta, desde puto...



*Sexual Honesty, by Women, For Women (1974)
The Hite Report on Female Sexuality (1976,2004)
The Hite Report on Men and Male Sexuality (1981)
Women and Love: A Cultural Revolution in Progress (The Hite Report on Love, Passion, and Emotional Violence) (1987)
Fliegen mit Jupiter (1993)
The Hite Report on the Family: Growing Up Under Patriarchy (1994)
The Shere Hite Reader: New and Selected Writings on Sex, Globalization and Private Life (2006)

11 comentários:

Maria Manuela (M&M) disse...

Do que muita gentinha precisa é de um "Brain Enlargement!"

Excelente texto...

Bjo

Rocket disse...

Ui, aí a esquisa ainda está mais atrasada...

Obrigado, querida


bjo

Rocket disse...

correcção: pesquisa e não esquisa

Helena disse...

Oi o que uma pessoa aprende por estas bandas :)

Aprendi muito...

Gostei do texto...

Li tudo ate ao finzinho...

Beijinho

Rocket disse...

Helena

Há muito mais dondesteveio...

Dbrigado pela aparição e anima-te!

Beijinhos

Helena disse...

Quando publicares o outros textos de onde veio esse eu leio... :)

Ja te respondi no meu blogue...


Obrigada...

Vou tentar... vou abaixo mas depois eu arrebito...

Tem que ser..

Beijinho

Mlee disse...

Gostei particularmente do "longer than a highway" ... muito bom ...
Acho que o volume da banha da cobra está directamente relacionado com o Mercado em que é vendida.
É negócio garantido, aquele que proclama a cura para as inseguranças mais íntimas e corrosivas do ser humano, numa sociedade em que, não só no sexo, mas em tudo o resto, somos bombardeados com a imagem e a exigência de perfeição estereotipada e preconcebida.
A partir daí, vale tudo, tanto mais, se o mercado for, como dizes, ignorante ao ponto que é. Mas também acho que, demasiadas vezes, não há conhecimento capaz de fazer superar o complexo ou a insegurança mais íntima ...

Rocket disse...

Helena
tb fiz o mesmo, fui lá

Mlle
Aí é que está. Essas inseguranças, que mencionas, deveriam ser resolvidas por uma educação sexual eficaz. O problema é que não existe ainda e faltará muito para chegarmos a encher um livrinho com o que sabemos da matéria para depois transmitirmos esse conhecimento a gerações seguintes.
Mais é uma vez é o mercado, sob a forma de estereótipos a seguir, que cria insegurança nos que em neles não encontram correspondência...

bjs

Rocket disse...

Helena


correcção: Fui lá ao teu responder-te...

Xunana disse...

Estás quase lá!

Beijo

Rocket disse...

Xunana

Lá onde? estou aqui sentadinho...

Beiiijos